Dieta Diabética – recomendações dietéticas, menus, receitas

Causas da diabetes

açúcar, insulina

Diabetes mellitus (diabetes mellitus) é um distúrbio metabólico que consiste em distúrbios na quantidade de glicose e seu uso impróprio pelas células do corpo.

A causa de tal desordem pode ser deficiência de insulina ou resistência à insulina. A insulina é uma hormona secretada pelo pâncreas, cuja produção aumenta à medida que os níveis de glicose aumentam, e que é responsável pelo seu transporte para as células e como resultado converte açúcar em energia.

Não utilizada como fonte de energia, a glucose acumula-se em fluidos fisiológicos e espaços intercelulares, causando toda uma série de alterações adversas no organismo, incluindo deficiências na distribuição das gorduras. As manifestações mais visíveis da diabetes são, além da alta concentração de açúcar no sangue, aumento da sede, micção frequente, sonolência e fraqueza.

Tipos básicos diabetes mellitus

A diabetes tipo I imunologicamente motivada afeta mais freqüentemente os jovens e se baseia em deficiências na produção de insulina, daí o termo “insulino-dependente”. Seus sintomas são hiperglicemia, ou seja, concentração muito alta de glicose, perda de peso, forte apetite, micção freqüente, fraqueza, presença de corpos açucarados e cetonas na urina. O Tipo I leva frequentemente à destruição do pâncreas e a uma grave deficiência de insulina.

A diabetes mellitus tipo II ocorre principalmente no meio e idosos, muitas vezes obesos e hipertensos. Os principais contribuintes para esta doença são o estilo de vida e a dieta, e é o fato de que a quantidade originalmente correta de insulina produzida pelo pâncreas não consegue lidar com o processamento dos açúcares consumidos. O nível desta hormona deve aumentar constantemente, resultando na chamada resistência insulínica dos tecidos.

A importância da dieta no tratamento da diabetes

sanduíches dietéticas

O Índice Glicémico (IG) desempenha aqui um papel fundamental. Este é um indicador do aumento dos níveis de açúcar no sangue após o consumo de um alimento.

Assim, supõe-se que os produtos com baixo índice glicêmico tenham um índice abaixo de 50, um IG médio de 55-70, uma alta de mais de 70.

Os diabéticos devem escolher alimentos com baixo índice glicémico porque os produtos com um alto índice IG resultam num aumento acentuado dos níveis de açúcar e num igualmente forte desprendimento de insulina. Entretanto, o nível de glicose cai relativamente rápido e o apetite reaparece. Isso não é tudo – quanto mais substâncias altamente glicêmicas fornecemos ao corpo, mais o pâncreas deve produzir insulina.

Se a nossa dieta é rica em carboidratos, o corpo torna-se imune à insulina, então ocorre um fenómeno chamado resistência à insulina. Enquanto isso, o consumidor moderno consome muitos produtos com maior teor de açúcar sem se dar conta.

Açúcares simples, principalmente frutose, estão presentes em quase todos os lugares: em bebidas carbonatadas, bolos e outros confeitos, iogurtes, ketchup, curativos, até mesmo em pão. Os açúcares retos são rapidamente absorvidos e aumentam rapidamente os níveis de glicose, e como há um excesso deles, o corpo começa a acumular estoques, transformando-os em tecido adiposo.

No caso da diabetes mellitus, uma dieta adequada e uma mudança no estilo de vida são condições essenciais para um tratamento eficaz. E ao contrário das aparências, uma dieta diabética não tem que significar algum tipo de dieta draconiana, é uma dieta saudável, que, a propósito, vale a pena recomendar a todas as pessoas, independentemente de serem diabéticas ou não. Esta dieta equilibrada também deve ser adaptada às condições individuais, em particular à idade, peso corporal, grau de doença e actividade física.

Dieta Diabética – princípios básicos

Os objectivos que devemos atingir com uma dieta são: normalizar o nível de açúcar no sangue e ao mesmo tempo prevenir os ataques de fome, eliminar os chamados “snacks”, especialmente doces, regular os processos do metabolismo, colesterol e níveis de pressão, alcançar o peso corporal correcto, melhorar a condição e o bem-estar. Para conseguir isso, além de um menu apropriado, devem ser seguidas certas regras de ferro, nomeadamente:

  • Cada refeição deve conter proteínas, gorduras e carboidratos em certas proporções para fornecer ao organismo a quantidade certa de energia.
  • Você deve comer 5 refeições por dia (3 maiores e 2 menores), em intervalos de aproximadamente a cada 3-3,5 horas, evitando assim flutuações desfavoráveis nos níveis de açúcar no sangue.
  • Pessoas com excesso de peso ou obesas não devem exceder o padrão de 1200 kcal por dia, pessoas com o peso correto de 1600 kcal. Se levarmos um estilo de vida fisicamente activo, este valor pode ser ligeiramente superior.
  • Ao seleccionar os produtos alimentares preferimos definitivamente aqueles com um baixo índice glicémico e evitamos aqueles com um IG elevado.
  • Cada refeição deve conter uma porção de vegetais que não só têm um baixo índice glicémico, mas também fornecem fibras extremamente valiosas para o metabolismo.

Fontes de energia básicas necessárias para uma dieta diabética

creme de sopa

Muitas pessoas pensam que se estamos lidando com uma dieta para diabéticos, devemos deixar de comer carboidratos ou gorduras. Mas não é essa a questão.

Escolha produtos com baixo índice glicêmico e algumas gorduras, lembre-se das vitaminas e minerais, mas não podemos eliminar completamente os alimentos que são as principais fontes de energia do corpo, pois isso ameaça destruir o corpo.

1. hidratos de carbono

A dieta diabética não significa que devemos abandonar completamente os hidratos de carbono, porque eles são a base do fornecimento de energia do corpo. Entretanto, é necessário utilizar principalmente produtos de baixo índice glicêmico contendo carboidratos complexos. Estes, ao contrário dos açúcares simples, são liberados gradualmente e não causam aumento dos níveis de glicose no sangue e liberação de insulina.

A melhor fonte de tais carboidratos são vegetais e produtos de cereais integrais. Estima-se que a participação destes compostos na dieta deve constituir cerca de 45% do valor calorífico total da alimentação diária. Os produtos hortícolas e cereais também contêm fibras alimentares muito importantes, o que também tem um efeito positivo no metabolismo do açúcar. Por sua vez, o fornecimento de fruta não deve exceder aproximadamente 300 gramas por dia.

2. gorduras

Apesar de terem sido muito criticadas recentemente, são, no entanto, uma componente essencial do menu, devendo representar até 35% do valor energético da dieta. Trata-se apenas de consumir o mínimo possível (10%) de gorduras saturadas, em favor das gorduras simples e polinsaturadas. Este último pode ser encontrado principalmente em peixes e frutos do mar, óleos vegetais, sementes e nozes. É também importante controlar sistematicamente os níveis de colesterol e triglicéridos.

3. Proteína

Este nutriente extremamente importante é encontrado não só na carne, mas também em produtos lácteos e produtos vegetais, especialmente leguminosas, que são também uma rica fonte de vitaminas e minerais B. Se já chegamos à carne e salsichas, vamos escolher magras, sem gordura, e os produtos lácteos são mais naturais, sem sabor nem aroma. A proporção de proteínas na demanda diária de energia é de 15 a 20%, enquanto que para pessoas obesas pode ser maior – 20 a 30%.

O que comer com diabetes e o que evitar?

especiarias, sementes

O menu diabético não tem de ser monótono e pouco saboroso. Pelo contrário, temos à nossa disposição um número suficiente de alimentos recomendáveis, a partir dos quais você pode compor refeições saborosas e variadas. Só tem de seguir as indicações dadas neste caso.

Dieta para a diabetes – produtos indicados

  • Os diabéticos devem comer produtos que contenham muita fibra, o que, por um lado, regula a digestão e evita picos de glicose e, por outro, proporciona uma sensação de saciedade. Estes incluem produtos de cereais integrais – grumos, arroz, massas, farinha de aveia, cevada e flocos de centeio, de preferência cozidos al dente.
  • Vegetais como alfaces, tomates, pepinos, abobrinhas, espargos, rabanetes, pimentos, cebolas, couve-flor, feijão aspargo, soja, lentilhas, ervilhas. Vale a pena saber que vegetais cozidos, como batatas, cenouras ou beterrabas, têm um índice glicémico superior ao dos vegetais crus. Podemos comer bagas e citrinos, ameixas, maçãs, pêras e cerejas, mas em quantidades limitadas.
  • Produtos lácteos, de preferência naturais, iogurtes, kefirs, leitelho, queijo branco magro ou semifosco, no máximo.
  • Carnes magras, carnes e peixes curados magros, de preferência espécies marinhas que, além de outros nutrientes valiosos, contêm ácidos Ómega3. A forma recomendada de preparar carne e peixe é cozer a vapor, sem fritar ou assar inicialmente.
  • Gorduras – principalmente óleos vegetais.
  • Nozes, sementes, sementes como fonte de gorduras, vitaminas e minerais de alta qualidade.

Dieta da Diabetes – Produtos Proibidos

  • Todo o tipo de comida rápida e pratos prontos, carne gorda e miudezas, queijo amarelo e lacticínios gordos devem ser evitados.
  • Deve-se renunciar aos pratos fritos, limitar o consumo de sal e açúcar (pode ser substituído por um adoçante), tentar chegar menos vezes às batatas, evitar os produtos de farinha branca.
  • Evite frutas com alto teor de IG, como bananas, uvas, melancias ou frutas enlatadas e bebidas carbonatadas, que normalmente são muito altas em açúcar.
  • Evite álcool.

Dieta diabética. Exemplos de menu do dia

É importante não só selecionar produtos com baixo índice glicêmico, mas também não exceder o valor calórico diário. E se cuidarmos da variedade e sabor das refeições, a dieta diabética não será inconveniente. O pequeno-almoço ou o jantar com diabetes não tem de ser menos apetitoso do que para as pessoas saudáveis.

Tabela 1

  • Pequeno-almoço – duas fatias de pão integral, queijo branco, alface, rabanete, chá verde
  • Segundo pequeno-almoço – framboesas, bagas ou mirtilos com iogurte e papas de aveia
  • Jantar – sopa de couve-flor, peito de frango estufado sem pele, salada de tomate e pimenta, arroz integral
  • Lanche da tarde – sumo de vegetais
  • Jantar – bacalhau assado em papel alumínio, pepino em vinagre

Tabela 2

  • Pequeno-almoço – duas fatias de pão integral com presunto de aves e pepino, café amargo ou chá
  • Segundo pequeno-almoço – salada de legumes: por exemplo, alface verde e salsa, nabo, tomate, pimenta, pepino
  • Jantar – creme de sopa de tomate, risoto de aves e legumes
  • Chá da tarde – uma salada colorida com queijo cottage
  • Jantar – omelete com espinafres, salada com cenoura e maçã

Tabela 3

  • Café da manhã – pão com pouca manteiga, iogurte natural com cereais e frutas, suco de cenoura
  • Segundo pequeno-almoço – ovos mexidos com espinafres, chá
  • Jantar – peixe com farelo, salada de feijão espargo
  • Chá – salada de frutas
  • Jantar – queijo cottage com legumes

Dieta Diabética – regulamentos

Receita para uma salada colorida com queijo cottage

Puxe a alface iceberg em pedaços menores, adicione tomates em cubos, pepinos verdes e pimentos amarelos, mova cerca de 50 g de queijo cottage magro por cima, tempere tudo com óleo e vinagre balsâmico.

Receita de bacalhau assado em papel alumínio

Lave e seque o filete de bacalhau, esfregue com um pouco de sal e pimenta, sumo de limão e dentes de alho esmagados. Unte a folha com óleo, coloque o peixe e embrulhe-o bem. Asse durante cerca de 30 minutos, depois de desengordurar pode polvilhar com endro fresco.

Receita de peixe frito em farelo

Lavar e secar a pescada ou outro filete de peixe, cortar a cebola em anéis e cobrir o peixe, deixando-o na geladeira por algumas horas. Depois, bata as proteínas com firmeza, salgue o peixe e o pêlo na proteína e no farelo. Frite em óleo vegetal, depois de fritar até ficar dourado, coloque uma toalha de papel para escorrer a gordura.

Receita para salada de feijão espargo

Vaporizar o feijão, adicionar o tomate descascado e cortado em cubos e a cebola finamente picada. Tempere com óleo, suco de limão, alho ou um pouco de açúcar.

Viver com diabetes não é o fim do mundo…

Como em qualquer outra doença, a diabetes não deve ser subestimada. No entanto, isto não significa que não possamos viver uma vida normal enquanto cumprirmos com certas mudanças necessárias. Em primeiro lugar, como já foi mencionado, precisamos de nos habituar a uma dieta saudável, equilibrada, pobre em glicemia e com baixas calorias, o que também beneficiará a nossa figura.

No entanto, a atividade física é importante, pois a quietude favorece todas as doenças e a obesidade. Finalmente, a fim de baixar os níveis de açúcar e restaurar a função pancreática normal, podemos nos apoiar com suplementos como os baseados em matérias-primas vegetais Diabeters.

Leia a revisão do suplemento dietético Diabeters
diabeters

Category: saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Article by: admin